Todos os sabores pela primeira vez – Uma história do Alinea

Todos os sabores pela primeira vez – Uma história do Alinea

Alinea não se considera um restaurante, pelo menos não no sentido convencional. Sua alta gastronomia molecular vai além do habitual e mistura sentidos, arte e comoção em uma experiência de quatro horas de degustação. 

Considerado o melhor restaurante americano, com direito a três estrelas no Guia Michelin, Alinea começou em 2005 pelas mãos do chef e artista plástico Grant Achatz. Por ter nascido em Michigan dentro de uma família que possuía restaurantes pelo estado, seu talento pode ser considerado familiar. Desde a época que estava na escola sonhava em ser chef de cozinha. Tendo isso em mente, começou sua carreira como lavador de pratos e foi se aprimorando pouco a pouco. 

Após estudar no Culinary Institute of America, trabalhou como chef executivo em um restaurante no subúrbio de Chicago. Em 2003, obteve experiência o suficiente para ser considerado o principal chef em ascensão pela James Beard Foundation. Foi no ano de 2005 que conseguiu concretizar seu primeiro restaurante. Alinea surgiu na cidade que ele mais evoluiu e cresceu em nível profissional e pessoal. 

Dois anos depois de abrir o Alinea, em Chicago, Achatz descobriu um borrão na boca que gradativamente foi se transformando em um incômodo. Apesar de ter realizado inúmeros exames médicos, não obteve nenhuma solução de imediato. Somente depois de muito tempo conseguiu descobrir um câncer na língua em estágio avançado. Na época deram apenas duas alternativas para a sua saúde: retirar o órgão ou correr graves riscos de vida. 

Em uma decisão arriscada, decidiu manter a língua e tentar ser bem sucedido em um tratamento que contava com sessões agressivas de quimioterapia e radioterapia realizadas durante 18 semanas. 

A intervenção médica trouxe bons resultados, mas o sentido do paladar desapareceu. Nesse momento de vida ele poderia ter fechado as portas da criatividade e do restaurante. Porém novamente optou por uma escolha ousada.  Achatz preferiu manter seu legado vivo e contar com a ajuda da sua equipe. Para isso, durante suas criações recordava os sabores exatos de cada ingrediente. Depois fazia com que cada um que estava ao seu lado pudesse provar e dar sua opinião, confiando quase que cegamente nos talentos dos seus trabalhadores. 

O trabalho grupal é considerado essencial dentro do Alinea. Nenhuma ideia é desconsiderada e seus funcionários são treinados para agregarem com conteúdo. O efeito desse cuidado é a união e parceria que são a base para o seu sucesso. Sem a confiança necessária, Achatz ficaria estagnado por causa das complicações que ocorreram no início da empreitada do restaurante. 

Apesar da descrença da comunidade médica, progressivamente o paladar de Achatz voltou e o premiado chef sentiu os sabores como se fossem pela primeira vez. Sua vivência com os sentidos sofre uma ressignificação. A gastronomia é redescoberta e corajosas experimentações na cozinha são realizadas. 

Gastronomia à la Bansky

Cada um dos 16 pequenos pratos apresentados é capaz de causar ansiedade e apreensão na clientela. A mistura de ingredientes, apesar de aparentemente não ter nenhuma conexão, mostra-se excêntrica e espantosa. Além disso, as criações fundem arte com gastronomia ocasionando em uma apresentação impecável que conta com uma explosão de cores. O cliente não está somente consumindo um prato, mas sim uma experiência sensorial completa e única com direito a mescla de sentidos. 

Esse aspecto somente é possível porque Achatz não enxerga seu trabalho como puramente molecular. Ele amplia as possibilidades do ofício ao considerar a cozinha como um laboratório onde é possível criar obras artísticas que podem ser totalmente consumidas.

O prato que exemplifica a criatividade e inovação da equipe do Alinea é a piñata de chocolate escuro que aparentemente se assemelha com uma bola de boliche de chocolate. O elemento surpresa fica por conta da performance artística do staff. Ao ser trazida da cozinha, o garçom destrói a iguaria na frente do cliente e revela dentro da esfera um doce muito mais elaborado do que um simples chocolate. A execução da apresentação lembra o artista plástico Bansky que destruiu uma das suas telas leiloadas em 2018 e provou ser possível aliar arte com assombro, assim como  Achatz.  

Ficha técnica: 

Preço:  Até $355

Duração do jantar: Em média 4 horas

Endereço: 1723 N Halsted. Chicago, IL 60614

Reservas: www.alinearestaurant.com/   

(Visited 416 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *